Dante e o eterno feminino (quinto bloco)


ARTS QA, POR CARLOS RUSSO

Dante e o eterno feminino.

Bloco 5/8

Paolo que se mantém na derrota como indomável e rebelde, deixa-se conduzir pelo Inferno. Ele é a expressão muda de Francesca, o corpo que acompanha a voz. Francesca fala, Paolo chora.

Francesca é mulher e como tal, vencida, derrotada pela paixão, pois a poesia da mulher consiste em se deixar vencer e nesse movimento mantém sua alma imaculada, e “o não sei o que de macio, puro, e delicado, que é o eterno feminino, ser gentil e puro”³. Em Dante, o feminino em sua debilidade e na desgraça da luta conserva intocadas as qualidades essenciais, arranca lágrimas do poeta, o viajante mortal e o derruba como se também morto fosse.

Francesca nada disfarça, nada oculta e confessa com doçura o seu amor. Não possui uma só queixa ou arrependimento, nem sequer busca atenuante ou revolta-se contra Deus. “Paolo me amou, porque eu era bela, eu o amei porque me comprazia ser amada e no prazer dele sentia o meu prazer.” E isto é confessar um amor, que pessoas vulgares não o fazem nem a si próprias.

(Continua na próxima semana)






Posts Em Destaque
Teremos posts em breve
Fique ligado...
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags